Seu guia de fornecedores para área magistral

Description

Os cientistas estão investigando uma variedade de medicamentos, incluindo medicamentos para ansiedade e alergias, que podem impedir o coronavírus de sequestrar diferentes sistemas celulares para se replicar. Mas um medicamento que pacientes com COVID-19 podem estar usando para tratar um sintoma da doença pode piorar as coisas, sugerem experimentos de laboratório.

Um fármaco comum em medicamentos para tosse, o dextrometorfano, estimulou o crescimento da SARS-CoV-2 em células de macaco em laboratório, relatam pesquisadores na revista Nature . O dextrometorfano parece ativar um processo de controle do estresse celular que também é explorado pelo vírus para sua replicação.

“Não estamos necessariamente recomendando que todos parem de tomar dextrometorfano”, disse Brian Shoichet, da Universidade da Califórnia, Escola de Farmácia de São Francisco.

Este trabalho é apenas experimento de laboratório, observou durante uma entrevista coletiva. Nas pessoas, não foi demonstrado que os supressores da tosse pioram as infecções. Mas como os resultados do laboratório demonstram “um efeito pró-viral, seria errado não destacá-lo, porque poderia ser prejudicial”, disse Shoichet, observando que mais trabalho precisa ser feito. É “algo a ser observado”.

Shoichet fazia parte de uma equipe internacional que mapeou as interações entre as proteínas do coronavírus e as proteínas encontradas nas células humanas e dos macacos. As células do pulmão produzem mais proteínas envolvidas nessas interações virais, descobriram os pesquisadores, o que pode ajudar a explicar por que o vírus causa doenças graves nos pulmões.

Os cientistas testaram uma variedade de medicamentos para verificar se algum poderia interromper essas interações e limitar o crescimento do vírus. Drogas que mostraram alguma promessa em experimentos de laboratório envolvendo células de macaco incluem antipsicóticos haloperidol e cloperazina; um medicamento para ansiedade e depressão chamado siramesine; anti-histamínicos clemastina e cloperastina; e um medicamento experimental chamado zotatifin, agora em ensaios clínicos testando sua eficácia contra o câncer.

Nenhum foi avaliado contra o COVID-19 em pessoas.

A equipe também encontrou um composto experimental, PB28, que teve um desempenho melhor que a hidroxicloroquina ao inibir o crescimento do vírus, interferindo em certas interações proteicas. Ao contrário da hidroxicloroquina, o PB28 não mexe com as proteínas do ritmo cardíaco, portanto, pode ter menos efeitos colaterais. O PB28 também não foi testado em pessoas.

O hormônio progesterona também interferiu na replicação do vírus, talvez explicando parcialmente por que as mulheres são menos propensas a morrer de COVID-19 do que os homens.

Disponível em Science News. Traduzido e adaptado por Magistral Guide.

Related Posts

Os ácidos gymnemicos isolados da planta Gymnema sylvestre, nativa da Índia, exibem propriedades ...
Magistral Guide
28 de maio de 2024
O folato, a forma natural de B9, é essencial para a neurogênese, síntese de nucleotídeos e metilação ...
Magistral Guide
23 de maio de 2024
Alguns estudos sugerem que os suplementos multivitamínicos podem aumentar o risco de câncer ...
Magistral Guide
20 de maio de 2024