Seu guia de fornecedores para área magistral

Description

Gestantes têm um risco maior de baixo status ou deficiência de ferro e vitamina D devido ao aumento das necessidades para o neurodesenvolvimento fetal e a saúde materna. Estima-se que a anemia por deficiência de ferro afete 20% das gestações em todo o mundo. A literatura recente questiona se a atual dose diária recomendada de 27 mg de ferro por dia durante a gravidez é suficiente para suprimir o aumento da demanda materna, placentária e fetal de ferro. Além disso, é provável que as gestantes também estejam em deficiência de vitamina D.

Um estudo de coorte da Alberta Pregnancy Outcomes and Nutrition (APrON) buscou examinar se o status nutricional na gravidez e no pós-parto está relacionado à saúde mental materna. O objetivo principal foi avaliar se as associações individuais e combinadas do nível materno de ferro e vitamina D durante e após a gravidez estaria relacionada com os sintomas de depressão entre os participantes. Para isso biomarcadores de ferro (ferritina sérica, receptor solúvel de transferrina e hepcidina) foram medidos por meio de imunoensaios e metabólitos da vitamina D [25-hidroxivitamina D3 (25(OH)D3) e 3-epi-25-hidroxivitamina D3 (3-epi-25 (OH)D3)] foram quantificados usando cromatografia líquida com espectroscopia de massa. 

Os resultados apontam que as concentrações de 25(OH)D3, 3-epi-25(OH)D3 materna e a proporção de ambos os metabólitos foram significativamente maiores durante o segundo trimestre em comparação com seu status aos 3 meses pós-parto. Concentrações maternas mais altas de ferritina sérica no segundo trimestre, hepcidina e 25 (OH )D3 previu pontuações maternas mais baixas da da Escala de Depressão Pós-natal de Edimburgo Materna (EPDS) durante o terceiro trimestre. Gestantes com baixo teor de ferro (ferritina sérica <15 μg/L) e abundância de vitamina D (25(OH)D ≥75 nmol/L) ou baixo teor de ferro (ferritina sérica <15 μg/L) e de vitamina D (25(OH)D <75 nmol/L) durante o meio da gravidez tiveram pontuações EPDS mais altas no terceiro trimestre em comparação com aqueles que estavam repletos de ambos os micronutrientes.

Dessa forma, um nível mais elevado de ferro e vitamina D durante a gravidez, independentemente ou em combinação, previu menos sintomas de depressão materna no terceiro trimestre. As concentrações de 25(OH)D3 e 3-epi-25(OH)D3 maternos podem ser mais baixas no período pós-parto em comparação com o meio da gravidez.

.

Bibliografia consultada:

Evanchuk JL; et al. Maternal Iron and Vitamin D Status during the Second Trimester Is Associated with Third Trimester Depression Symptoms among Pregnant Participants in the APrON Cohort. The Journal of Nutrition, 2024.

Related Posts

Os ácidos gymnemicos isolados da planta Gymnema sylvestre, nativa da Índia, exibem propriedades ...
Magistral Guide
28 de maio de 2024
O folato, a forma natural de B9, é essencial para a neurogênese, síntese de nucleotídeos e metilação ...
Magistral Guide
23 de maio de 2024
Alguns estudos sugerem que os suplementos multivitamínicos podem aumentar o risco de câncer ...
Magistral Guide
20 de maio de 2024