Seu guia de fornecedores para área magistral

Description

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (UNESP) conduziram recente estudo em ratas, sugerindo que o hormônio Ocitocina pode prevenir a perda de densidade e força óssea. Com isso, novos estudos podem permitir o uso clínico da ocitocina na prevenção da osteoporose. Os resultados aparecem na íntegra na revista Scientific Reports .

Um dos maiores fatores de risco para a osteoporose é o sexo biológico. As mulheres têm muito mais probabilidade de apresentar essa condição do que os homens. Como resultado, há um maior risco de fratura de quadril.

Depois de atingir o pico de massa óssea aos 25-30 anos , há um declínio gradual relacionado à idade. Como resultado das mudanças na quantidade de estrogênio no corpo, nas mulheres, essa perda óssea acelera após a menopausa.

Durante a perimenopausa , que se refere aos anos anteriores à menopausa, os ovários gradualmente começam a produzir menos estrogênio. Essa perda de estrogênio afeta cada mulher de maneira diferente, e o impacto varia entre as culturas. A menopausa pode ser uma experiência positiva para alguns, mas também pode induzir uma série de mudanças no corpo. Isso inclui mudanças de humor, ondas de calor e suores noturnos, bem como perda de densidade óssea.

Além de fazer certas mudanças no estilo de vida, atualmente não há maneira eficaz de prevenir a osteoporose. No entanto, os cientistas da UNESP acham que podem ter encontrado um.

Em experimentos com ratas, os cientistas usaram o hormônio ocitocina para reverter processos que reduzem a densidade e a resistência dos ossos. Se os estudos em humanos produzirem resultados semelhantes, os médicos podem eventualmente usar a ocitocina clinicamente para prevenir o aparecimento da osteoporose.

Perimenopausa

No Brasil, devido ao envelhecimento da população, os especialistas prevêem que cerca de 100.000 fraturas de quadril agora ocorrem a cada ano. As fraturas de quadril são três a quatro vezes mais comuns em mulheres do que em homens e podem ter consequências graves, incluindo perda de mobilidade e maior risco de mortalidade nos anos seguintes.

“A perda de função e independência é profunda entre os sobreviventes”, explica a autora sênior do estudo, Rita Menegati Dornelles. “Aproximadamente 40% tornam-se incapazes de andar independentemente e cerca de dois terços deles precisam de ajuda um ano depois. Menos da metade recupera seu nível anterior de função. ”

O novo estudo se concentrou em uma parte do quadril chamada colo do fêmur, que é o local mais comum de fratura. Os pesquisadores estudaram este local em ratas de 18 meses, uma idade que é equivalente à perimenopausa em fêmeas humanas.

Dornelles diz que a pesquisa nesta fase é crítica, mas atualmente pouco representada na literatura. “Há muitas pesquisas sobre a fase pós-menopausa, que segue a última menstruação da mulher, mas as oscilações hormonais na perimenopausa já são agudas e estão associadas a uma diminuição gradual da densidade óssea.”

“São necessárias mais pesquisas para apoiar a prevenção da osteoporose durante a perimenopausa, pois o período após a menopausa representa cerca de um terço da vida da mulher e deve ter a melhor qualidade possível.”, continua Dornelles.

Tratamento: o “hormônio do amor”

Dornelles e sua equipe trataram as ratas da perimenopausa com Ocitocina, um hormônio mais comumente associado a sentimentos de afeto, união e empatia, mas que também tem papéis importantes na regulação da massa óssea .

A Ocitocina é secretada pelas células ósseas e está associada ao metabolismo ósseo nas mulheres. Os níveis desse hormônio também diminuem durante a menopausa.

Cerca de 1 mês depois que os cientistas trataram as ratas, eles analisaram amostras de sangue e tecido e as compararam com as de animais que não receberam ocitocina. Os ratos que receberam ocitocina não apresentaram perda de densidade óssea e tinham marcadores bioquímicos de renovação óssea no sangue. O próprio osso também foi mais robusto nos animais tratados. A região do colo femoral era mais forte e menos porosa e tinha propriedades consistentes com maior densidade óssea.

Uma solução natural?

Esses achados são impressionantes e também podem ser mais confiáveis ​​do que os de estudos anteriores. De fato, estudos mais antigos tendem a usar ratos muito jovens que foram submetidos à remoção cirúrgica dos ovários. No entanto, os animais deste estudo estavam passando por um processo natural de envelhecimento, o que pode ser mais relevante para a experiência humana.

“Os animais que receberam o hormônio apresentaram um aumento nos marcadores bioquímicos associados à renovação óssea e na expressão de proteínas que suportam a formação e mineralização óssea.” – Rita Menegati Dornelles

Embora mais estudos sejam necessários para avaliar a segurança e eficácia do tratamento com Ocitocina em humanos, esses resultados são encorajadores. O hormônio pode ser outro meio viável de prevenir a osteoporose em algumas pessoas.

Bibliografia consultada:

Fernandes F, et al. Oxytocin and bone quality in the femoral neck of rats in periestropause. Scientific Reports, 2020.

Disponível em Medical News Today. Traduzido e adaptado por Magistral Guide

Related Posts

Alguns estudos sugerem que os suplementos multivitamínicos podem aumentar o risco de câncer ...
Magistral Guide
20 de maio de 2024
O selênio é um componente essencial das selenoproteínas e enzimas antioxidantes, que têm atraído ...
Magistral Guide
17 de maio de 2024
A asma, caracterizada por sibilos recorrentes, falta de ar, aperto no peito e tosse, é um grande ...
Magistral Guide
13 de maio de 2024