Seu guia de fornecedores para área magistral

Description

As mulheres, com o avanço da idade, percebem muitas modificações em seu corpo, principalmente na fase próxima da menopausa. A redução da produção de hormônio, o metabolismo mais lento e na maioria das vezes somado a falta de exercícios físicos e hábitos alimentares ruins, faz com que ocorra um aumento de peso e um acúmulo maior de gordura da região abdominal. Mas um outro fator que pode estar influenciando, e muito, nesse ganho de peso são os medicamentos usados durante os primeiros anos da menopausa.

Foi o que constatou um estudo publicado na revista Menopause, onde os pesquisadores avaliaram 76.252 mulheres na pós-menopausa com idades entre 50 e 79 anos, medindo seus índices de massa corporal antes e após três anos. O uso de medicamentos foi avaliado por meio da contagem de frascos de comprimidos trazidos tanto para a consulta inicial, quanto para as visitas do terceiro ano, dando um maior destaque aos medicamentos promotores de peso como antidepressivos, antipsicóticos, beta-bloqueadores, insulina e glicocorticosteroides.

“Muitos dos medicamentos prescritos para tratar comorbidades relacionadas à obesidade, como hipertensão , diabetes tipo 2 e depressão, já têm associação ao ganho de peso, mas o impacto desses medicamentos em relação às alterações no índice de massa corporal (IMC) e na circunferência da cintura em mulheres na pós-menopausa, em particular, não foi estudada”, escreveu os autores do estudo.

“As mulheres na pós-menopausa têm um interesse significativo, pois as que têm obesidade e obesidade central com peso normal estão em risco aumentado para doenças como câncer de mama invasivo , distúrbios do sono e diabetes tipo 2, além de mortalidade”, escreveram.

Os participantes foram divididos em três categorias: aqueles que não tomaram medicamentos promotores de peso nas consultas iniciais e no ano 3, aqueles que tomaram pelo menos um medicamento promotor de peso no início ou no ano 3 e aqueles que tomaram medicamentos promotores de peso no linha de base e ano 3. Os pesquisadores também consideraram o número de medicamentos que cada paciente estava usando.

No início do estudo, 57,8% dos participantes tinham sobrepeso ou obesidade e eram mais propensos a receber prescrição de medicamentos promotores de peso devido a uma maior prevalência de diabetes, hipertensão e colesterol alto, de acordo com os pesquisadores. No ano 3, todos ganharam uma média de 0,3 kg, e um maior número de prescrições para promoção de peso foi associado a maiores aumentos no IMC e circunferência da cintura. Mulheres sem prescrição de medicamentos promotores de peso adicionaram uma média de 0,27 kg/m 2 ao seu IMC e 0,89 cm à circunferência da cintura vs. 0,37 kg/m 2 ( P = 0,0045) e 1,1 cm ( P = 0,0077), respectivamente , para aqueles com um medicamento.

Antidepressivos e insulina foram associados aos maiores aumentos no IMC desde o início até o ano 3. Mulheres com prescrições de antidepressivos viram seu IMC aumentar em uma média de 0,14 kg/m 2 e a circunferência da cintura em 0,47 cm ( P <0,0001 para ambos), com maiores aumentos para aqueles com obesidade de classe I e classe III no início do estudo. Aqueles que tomaram insulina tiveram um aumento médio de 0,21 kg/m 2 de IMC ( P <0,001) e 0,4 cm na circunferência da cintura ( P <0,01), com aumentos de 1,87 kg / m 2 ( P <0,0001) e 1,24 cm ( P < 0,01) 0,05) entre aqueles com obesidade classe III no início do estudo. Os participantes prescritos antidepressivos e beta-bloqueadores tiveram um aumento médio do IMC de 0,25 kg/m2 da linha de base ( P <0,001).

Em contraste, o uso de glicocorticoide mais beta-bloqueador foi associado a uma redução média de 0,4 kg/m 2 entre os participantes com IMC normal no início do estudo ( P <0,05).

Os resultados do estudo foram limitados por vários fatores, incluindo a falta de dados sobre indicações e condições de saúde subjacentes à prescrição de vários medicamentos, principalmente psicotrópicos e antipsicóticos, escreveram os pesquisadores.

No entanto, os dados “podem ajudar a informar a tomada de decisão clínica e apoiar uma atenção maior às modificações no estilo de vida e outras estratégias para reduzir o potencial de ganho de peso em uma população que já corre risco de sobrepeso e obesidade ao longo do tempo”, concluíram.

“Os médicos precisam garantir a prescrição de medicamentos realmente necessários e utilizar a dose mais baixa necessária para alcançar os objetivos do tratamento”, afirmou Faubion, autor do estudo. “Quando possível, terapias alternativas que não causam ganho de peso devem ser consideradas. Além disso, os pacientes devem ser alertados sobre o potencial de ganho de peso, e os clínicos devem optar por medidas de estilo de vida destinadas a diminuir esses efeitos”.

.

Bibliografia consultada:

Stanford FC, et al. The association between weight-promoting medication use and weight gain in postmenopausal women: findings from the Women’s Health Initiative. Menopause, 2020.

Disponível em Medscape. Traduzido e adaptado por Magistral Guide

Disponível em Healio. Traduzido e adaptado por Magistral Guide

Related Posts

Os óvulos são formas farmacêuticas sólidas, de dose única destinados a serem introduzidas no trato ...
Magistral Guide
26 de novembro de 2020
A vaginose bacteriana é uma infecção vaginal que afeta de 15% a 50% das mulheres em idade ...
Magistral Guide
25 de novembro de 2020
Sim, você não leu errado. A ocitocina, o hormônio conhecido como “hormônio do amor” que regula o ...
Magistral Guide
20 de novembro de 2020